5 dúvidas sobre alimentação de peixes

Elas estão entre as principais perguntas feitas por aquaristas, principalmente os iniciantes. 

O aquarismo, diferente de outros segmentos pet, demanda cuidados peculiares a serem considerados, pois o aquário funciona em um sistema biológico fechado. O aquarista, por exemplo, deve ter total atenção com a qualidade da água, pois ela possui grande influência na saúde dos animais aquáticos. Tendo em vista esses fatores, o aquarista deve atentar-se aos alimentos oferecidos aos animais, pois estes podem ir de heróis e vilões, e vice-versa. Sendo assim, algumas perguntas clássicas são frequentemente feitas nas lojas do ramo. Veja quais são as principais perguntas e as respostas mais recomendadas.

1 QUAL MELHOR ALIMENTO A SER FORNECIDO AOS ANIMAIS?

O melhor alimento para os peixes é o que possui a maior digestibilidade, ou seja, aquele que o peixe, ao consumi-lo, absorverá grande parte ou a maioria de sua composição, restando pouco nutrientes a serem excretados na água.

Os alimentos com maior digestibilidade são os que fornecem em sua formulação as melhores matérias-primas e melhores processamento destas, em geral os alimentos premium e super premium do mercado.

O valor agregado é justificado pelo custo-benefício ao consumidor final. Produtos com maior digestibilidade refletem menor quantidade a ser fornecida aos animais, pois conseguem nutrir os peixes em sua totalidade com uma quantidade menor de ração. Em casos extremos, uma ração premium equivale até três vezes à ração de baixa qualidade. Além da economia financeira, outro benefício de um alimento de alta digestibilidade é a baixa quantidade de excrementos que o peixe deixará no sistema, reduzindo assim a frequência de manutenção e troca de água do aquário.

 2 QUAL A QUANTIDADE DE ALIMENTO QUE DEVO FORNECER AOS MEUS PEIXES?

A quantidade exata dependerá de quantos animais vivem no aquário. O correto é sempre seguir o que é recomendado na embalagem do produto, uma vez que certos alimentos podem ser oferecidos em menor quantidade do que outros.

A forma ideal de alimentar os peixes é fornecer pequenas quantidades de ração várias vezes ao dia. Os peixes, em sua maioria, mas com exceção dos peixes carnívoros, possuem estômago pequeno e intestino longo, portanto, tendem a absorver os nutrientes de ótima forma, constante e lentamente. Um importante adendo que deve ser feito é que a ração fornecida aos animais deve ser consumida rapidamente por eles, não mais que dois minutos, pois a ração em contato com a água começa a lixiviar ou perder vitaminas e minerais.

O excesso de ração pode sim matar os peixes. Não pelo consumo excessivo, mas pelo excesso de sobras de alimentos, que, se não forem retiradas, degradarão a água do aquário, levando os peixes a óbito pelo provável pico de amônia (composto de nitrogênio em sua forma mais tóxica).

 3 POSSUO UM POTE DE ALIMENTO ABERTO HÁ MESES, POSSO FORNECER AO MEU PEIXE?

Não, as rações para animais aquáticos, em sua maioria, são amplamente enriquecidas para atender melhor às necessidades nutricionais dos peixes. Um dos enriquecimentos feitos é a adição de gorduras importantes na nutrição deles, como o Ômega 3 e 6. Essas gorduras e ácidos graxos expostos ao tempo deterioram-se, tornando a ração rançosa.

A exposição da ração ao tempo e à luz pode deteriorar não apenas as gorduras, mas também outros níveis de garantias do produto. Exatamente por isso que deve-se evitar a venda de rações a granel, para que possam ser preservados os níveis de garantias como os níveis proteicos, de extrato etéreo e os níveis de vitaminas e minerais das rações pelo fabricante, além de evitar o risco à saúde dos animais.

 4 POSSO FORNECER UM MESMO ALIMENTO PARA DIFERENTES TIPOS DE PEIXES?

Em partes, pois deve-se atentar que cada peixe possui uma exigência nutricional e forma de alimentação (superfície, meia-água e fundo). Peixes carnívoros, por exemplo, requerem mais proteína que outros. É importante salientar que caso o peixe não absorva toda a quantidade de proteína da ração o restante será excretado na água do aquário, prejudicando a qualidade desta.

Outros peixes possuem necessidades de uma dieta à base de proteína vegetais, tais como os tropheus, do lago tanganiyka. No caso dos cascudos e corydoras, a alimentação deve ser feita necessariamente por alimentos que afundam. Deve-se, portanto, sempre obter e fornecer informações sobre cada tipo de peixe e suas particularidades. Dessa forma, será possível fornecer aos animais uma ótima nutrição, diversificada, mantendo assim uma excelente qualidade de água e os peixes saudáveis.

 5 POSSO ALIMENTAR MEUS ANIMAIS COM ALIMENTO VIVO, OU COM OUTROS TIPOS?

O ideal é fornecer a ração específica para seu peixe, pois é balanceada nutricionalmente e não há necessidade de suplementação. Alimentos vivos, sem o devido tratamento, podem conter diversas doenças e, consequentemente, infectar os peixes do aquário.

Há a possibilidade de ofertar alimentos vivos com baixa frequência. É preciso, contudo, tomar alguns cuidados para evitar que o peixe, que já está acostumado ao consumo de ração, restrinja sua alimentação apenas aos alimentos vivos e negligencia a ração.

Muitos aquaristas usam uma alimentação alternativa, tal qual deve-se ter um cuidado redobrado, já que se trata de alimento fresco. Existe o risco de oferecer o alimento estragado, caso este não possua o devido manejo e armazenamento.

No caso de ofertar filé de peixe, é importante identificar o filé ideal para cada peixe para que não contenha excesso de gordura e que não sejam nutricionalmente deficientes.

Camarão é uma boa opção, desde que possua boa procedência e armazenamento adequado.

Carne bovina ou animais de sangue quente, em sua maioria, possuem baixa digestibilidade para os peixes. Isso faz com que os peixes demorem mais em sua digestão e eliminem muitas excretas no ambiente, exigindo mais da filtragem do aquário. Além desse problema, o consumo em excesso pode provocar problema no fígado e rins dos peixes.

A escolha de cada componente de um aquário deve ser criteriosamente analisada, pois as interações que existem na natureza são replicadas pelo aquarista. Por isso, consultar um profissional, como um veterinário ou zootecnista, além de utilizar produtos de qualidade, são fundamentais para que os animais aquáticos tenham qualidade de vida.

Texto: Revista Pet Center

Post anterior
7 curiosidades sobre o Betta
Próximo post
TARTARUGA: Um pet comportado e que dá pouco trabalho

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Menu